Negócios

Comércio Digital: conheça a medida do PRR para apoiar a digitalização das empresas

por Helena Sousa | 31 Maio, 2022

O tecido empresarial português tem ainda muito caminho a percorrer no que toca às novas tecnologias e à digitalização de processos, o que afeta ainda mais as pequenas e médias empresas, que não contam com os recursos das grandes para dar esse salto em frente.

 

Como tal, e face à pandemia do novo coronavírus que veio ainda prejudicar mais o crescimento da economia portuguesa, a Comissão Europeia e o Estado português prepararam um plano de recuperação para apoiar as empresas na sua transição digital. Para as PME da área do comércio especificamente, surge um programa inteiramente para ajudá-las nesse processo: o Comércio Digital.

 

O que é o Comércio Digital?

 

Uma medida do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) português, mais concretamente, um dos quatro programas do investimento “Transição Digital das Empresas” da componente “Empresas 4.0” do PRR, o Comércio Digital é um programa para a digitalização de micro, pequenas e médias empresas, focado especificamente na área do comércio, que pretende:

  • apoiar na ativação dos seus canais de comércio eletrónico;
  • incorporar tecnologia nos seus modelos de negócios;
  • desmaterializar processos de gestão de clientes e fornecedores através das novas tecnologias;
  • através da digitalização, apoiar na internacionalização.

 

A medida de Comércio Digital, como parte do investimento da Transição Digital das Empresas, conta com uma dotação total de 135 milhões de euros, distribuída por três iniciativas.

 

Projetos do Comércio Digital

 

O Comércio Digital integra três projetos distintos: Aceleradoras de Comércio Digital, Bairros Comerciais Digitais e Internacionalização via E-commerce.

 

Aceleradoras de Comércio Digital

 

As Aceleradoras de Comércio Digital são uma iniciativa de criação de 25 aceleradoras de digitalização do comércio de proximidade, tanto locais como regionais, para apoiar na transição digital das PME de atividade comercial e providenciar um sistema de incentivos financeiros para a digitalização dos modelos de negócio.

 

Entre as atividades destas aceleradoras de comércio digital estão:

  • Fazer uma pré-avaliação da maturidade digital das empresas na proximidade;
  • Desenvolver e propor um plano de transição digital para as empresas;
  • Acompanhar e auxiliar as empresas de comércio e que prestam serviços de proximidade para reforçar a sua empresa digital e adaptar o seu modelo de negócio através das novas tecnologias de comunicação;
  • Apoiar as empresas em questão no acesso a um sistema de incentivos de apoio ao investimento em tecnologia e/ou presença digital.

 

O objetivo das Aceleradoras de Comércio Digital é apoiar 30 mil PME, contando para isso com um investimento global de 55 milhões de euros.

 

Bairros Comerciais Digitais

 

A iniciativa Bairros Comerciais Digitais consiste na criação de 50 áreas comerciais digitais (“bairros digitais”) para fomentar a atividade das empresas apoiada no uso da tecnologia digital em áreas físicas delimitadas, sendo privilegiada a associação da digitalização dos espaços e serviços para dinamizar o setor do comércio e serviços.

 

Os Bairros Comerciais Digitais envolvem diversos conceitos, nomeadamente, o omnicanal, as vendas online, a gestão logística, o marketing digital e a venda online (E-commerce), e contam com um investimento total de 55 milhões de euros.

 

Internacionalização via E-commerce

 

A iniciativa da Internacionalização via E-commerce passa por um sistema de suporte à internacionalização das PME através dos canais digitais, através de serviços ligados à sensibilização, capacitação e consultoria, passando por duas vertentes:

  • Um programa de promoção do comércio eletrónico para novas PME exportadoras;
  • Um programa de apoio individualizado para a promoção digital e diversificação de mercados em empresas que já estão internacionalizadas.

 

Esta iniciativa, com um investimento total de 25 milhões de euros, prevê atingir 1500 PME com um valor médio por vale de 15 mil euros.

 

A que empresas se destina o Comércio Digital?

 

Como referido, as medidas integrantes do programa Comércio Digital são dirigidas para os operadores que têm atividade na área do comércio, focando-se mais concretamente nas micro, pequenas e médias empresas.

 

Um aliado das pequenas e médias empresas no comércio digital

 

As pequenas e médias empresas da área do comércio não precisam de depender dos fundos europeus para digitalizar os seus processos e beneficiar das grandes vantagens das novas tecnologias. Existe um software que já permite dar o salto digital!

 

O Jasmin Software é uma plataforma de gestão na cloud pensado para empreendedores e empresários com ambição e desejo de crescer no digital, adaptando-se a todos os tipos de negócio. Para a área do comércio, o Jasmin apresenta vantagens exclusivas, como o Jasmin POS, um sistema de ponto de venda que permite uma integração omnicanal da faturação, e o controlo automático do inventário integrado com os seus diversos canais de venda, offline e online.

 

Ainda para mais, o Jasmin, como software na cloud, é acessível em qualquer lugar, a qualquer hora e através de qualquer dispositivo inteligente, até o seu smartphone, permitindo que faça a gestão da sua empresa onde, quando e como quiser. Para além disso, graças às tecnologias de ponta da Inteligência Artificial e Machine Learning, o Jasmin consegue até aprender com o seu negócio e apresentar-lhe Insights do crescimento futuro da sua empresa.

 

Ainda nem lhe dissemos a melhor parte: o Jasmin é gratuito para começar a usar! Desta forma, não precisa de esperar que caia uma “bazuca” de investimento no seu colo para beneficiar da (r)evolução tecnológica. Peça uma demonstração gratuita hoje mesmo!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Mais artigos