Fiscalidade e Contabilidade

Taxa de câmbio: o primeiro passo para a internacionalização

por Isabel Dias | 3 Abril, 2018

Apesar dos vários benefícios, é importante que as empresas tenham em atenção os riscos que podem incorrer ao iniciar um processo de internacionalização, como é o caso das oscilações constantes da taxa de câmbio.

 

O processo de internacionalização e a volatilidade da taxa de câmbio

 

É frequente ouvirmos na comunicação social que o dólar sofreu uma desvalorização em relação ao euro ou a qualquer outra moeda existente no mercado. Mas, afinal de contas, qual será o impacto desta desvalorização para as empresas?

 

Antes de mais, importa saber que a taxa de câmbio se define pelo valor que uma determinada moeda representa em relação a outra. E, como referimos acima, é comum que surjam desvalorizações entre diferentes moedas.

 

Esta volatilidade da taxa de câmbio dá origem a um dos riscos que mais impacto tem no lucro das empresas: o risco cambial.

 

Para todas as empresas que comercializem os seus produtos ou serviços para mercados externos, este risco pode resultar em lucros ou perdas imprevisíveis sempre que o valor da moeda local variar em relação à moeda na qual se negoceia, dependendo da variação que ocorra:

 

  • Decréscimo da taxa de câmbio - O decréscimo da taxa de câmbio torna a moeda local mais barata face às restantes, tendo por isso um efeito benéfico sobre as exportações que se tornam mais competitivas. Por sua vez, do lado das importações, estas sofrem um efeito adverso podendo a empresa sofrer alguns prejuízos.
  • Subida da taxa de câmbio - Já no que diz respeito à subida da taxa de câmbio, esta tem o efeito contrário. Nesta situação, ficando a moeda local mais cara face às restantes, as exportações perdem competitividade no mercado concorrencial e as importações ficam mais baratas.

 

Como minimizar os impactos do risco cambial

 

Não restam dúvidas: o comportamento dos mercados cambiais é quase sempre imprevisível para as empresas. Assim, para que estas não tenham surpresas desagradáveis, é importante que sejam adotadas algumas medidas que visem reduzir os impactos do risco cambial.

 

Uma dessas medidas é, sem dúvida, estar atento às notícias e acompanhar de forma regular as variações da taxa de câmbio para que se possam minimizar possíveis perdas ou prejuízos.

 

Para acompanhar essas oscilações, as empresas podem recorrer a sites de análise de mercados de valores como o Yahoo Finance ou utilizar um conversor de moedas, como é o caso do conversor do Banco de Portugal.

 

Além disso, as empresas devem ainda fazer um planeamento que determine qual a margem do fluxo de caixa que estará vinculada à taxa cambial como forma de reduzir os custos e maximizar os ganhos.

 

Como utilizar a tecnologia a favor?

 

Mas mais do que delinear estratégias que permitam reduzir possíveis riscos, é fundamental que as empresas recorram a ferramentas que facilitem os seus processos de faturação, principalmente em casos de internacionalização de negócios.

 

Se este é o seu caso, o Jasmin pode ser a solução que procura. Criado pela tecnológica PRIMAVERA BSS, o Jasmin assume-se como um software cloud expert em gestão que foi desenvolvido para facilitar a gestão do trabalho administrativo das pequenas e médias empresas, start-ups ou empresários por conta própria.

 

Em qualquer área do negócio, o Jasmin torna os processos de gestão mais rápidos e intuitivos sem nunca esquecer as obrigações legais fiscais, uma vez que este é um software certificado pela Autoridade Tributária.

 

Mas não ficamos por aqui. Com o Jasmin o seu negócio pode ser global! O que é que isto quer dizer? É simples: com o o Jasmin pode faturar em diversas moedas, apenas precisa de selecionar a unidade monetária pretendida.

 

Como emitir faturas em moeda estrangeira no Jasmin

 

  • Comece por aceder à configuração rápida. Clique em “vendas” e, de seguida, em “criar fatura” para abrir o ecrã de lançamento de documentos;
  • Preencha os campos obrigatórios que lhe são apresentados. Caso o seu cliente ainda não esteja registado, deverá clicar em “criar” e preencher todos os campos com os dados do novo cliente. No final, não se esqueça de gravar para poder continuar o seu processo de faturação;
  • Associe a série que pretende, bem como o tipo de artigo e quantidade correspondente;
  • No campo “financeiro” deverá alterar a moeda do documento de acordo com a moeda na qual pretende faturar. Se a moeda for diferente da moeda base do sistema, o campo “taxa de câmbio” será preenchido automaticamente com a informação existente no sistema, nomeadamente a taxa e data de câmbio em vigor.
  • Depois de definidas todas as condições associadas à moeda de faturação, deve incluir o preço unitário do artigo em questão;
  • Por fim, para terminar a emissão da fatura, basta selecionar a opção “guardar” e está feito!

Não é tão simples? Experimente já a versão gratuita Jasmin Express e faça o seu negócio evoluir com mais segurança.

 

Se tiver alguma dúvida, fale connosco ou aceda à nossa área de FAQs.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Mais artigos

Ver mais