Negócios

Empresas 4.0: conhece o programa de incentivos para modernizar negócios?

por Mariana Pimentel | 5 Abril, 2022

Criado pelo Governo e financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o programa de incentivos Empresas 4.0 visa promover e apoiar financeiramente projetos de modernização do modelo de negócio das empresas e dos seus processos de produção.

 

Neste artigo, vamos abordar as Empresas 4.0, o seu contexto e a forma como apoiam os negócios e a sua transição digital.

 

Antes de mais, o que é o PRR?

 

Surgiu com a pandemia e o seu consequente impacto no mundo dos negócios. Com objetivo de suavizar os efeitos negativos registados, foi criado o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência – que prevê, tanto combater a chegada dessa crise através de ações de recuperação, como a antecipação de um novo período de crescimento e, tal como o próprio nome indica, a criação de uma maior resiliência face a potenciais novas crises.

 

O PRR aplica-se nacionalmente e prevê implementar um conjunto de reformas e de investimentos para que Portugal retome o seu crescimento económico sustentado, em paralelo com os restantes membros da União Europeia.

 

Do orçamento total de 24 mil milhões de euros alocado ao período de 2021-2027 para o programa Portugal 2030, o Plano de Recuperação e Resiliência será financiado por mais de 16,6 mil milhões de euros em recursos totais, subdivididos em cerca de 14 mil milhões de euros de subvenções a fundo perdido e 2,7 mil milhões de euros de empréstimos.

 

Como se organiza o PRR?

 

O PRR está organizado em três dimensões estruturantes, correspondendo aos principais desafios e fragilidades no panorama português: a Resiliência, a Transição Climática e a Transição Digital.

 

É na terceira, mas não menos importante, dimensão do Plano de Recuperação e Resiliência – a Transição Digital –, que se entra este programa de incentivos, as Empresas 4.0.

 

Esta transição digital é resposta aos desafios que Portugal passou na adaptação a uma forma de trabalhar mais digitalizada durante o seu processo de transformação digital, contemplando uma capacitação para a digitalização e criação de competências digitais.

 

Essa Transição Digital do PRR é composta por cinco componentes:

 

  • Escola Digital;
  • Empresas 4.0;
  • Qualidade e Sustentabilidade das Finanças Públicas;
  • Justiça Económica e Ambiente dos Negócios;
  • Administração Pública – Capacitação, Digitalização e Interoperabilidade

 

Mas é nas Empresas 4.0 que nos vamos focar.

 

O que são as Empresas 4.0?

 

O Sistema de Incentivos Empresas 4.0 prevê apoiar projetos de desmaterialização dos fluxos de trabalho, mitigação dos défices de competências na utilização das tecnologias digitais, incorporação de ferramentas e metodologias de teletrabalho ou a criação de novos canais digitais de comercialização de produtos e serviços.

 

Componente 16 – Empresas 4.0: em que consiste?

 

Componente 16 (C16) é uma das 5 componentes dedicadas a colocar Portugal na dianteira da era digital europeia.

 

As reformas da C16 estão alinhadas com os objetivos do Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado em abril de 2020. Ou seja:

 

  • Mais literacia digital, reduzindo o “digital gender gap”;
  • Transformação digital do setor empresarial (novos modelos de negócio, mais competências e oportunidades de inovação tecnológica);
  • Digitalização do Estado.

 

Quais os apoios ao investimento direcionados às Empresas 4.0?

 

Capacitação Digital das Empresas (100M€)

 

A Capacitação Digital das Empresas prevê a criação de dois programas de formação interligados, que visam colmatar lacunas nas competências digitais dos trabalhadores e das empresas:

 

Academia Portugal Digital 

 

Trata-se de uma plataforma e programa de desenvolvimento de competências digitais em larga escala que deverá permitir aos trabalhadores do setor empresarial:

 

  • produzir uma autoavaliação do atual nível de competências digitais;
  • receber um plano personalizado de capacitação em competências digitais com metas concretas;
  • aceder a recursos de formação online que permitam adquirir novas competências;
  • e desenvolver um passaporte pessoal que discrimine, centralize e certifique a informação das competências digitais do trabalhador.

 

Emprego + Digital 2025

 

Este é um programa enquadrado nas Empresas 4.0 de capacitação em tecnologias digitais. Visa, no fundo, responder aos desafios e oportunidades de diversos setores empresariais, nomeadamente indústria, comércio, serviços, turismo e agricultura, economia do mar e construção, setores fortemente impactados pelos processos de transformação digital e pela pandemia da COVID-19.

 

 

Transição Digital das Empresas (450 M€)

 

Nesta categoria inserida nas Empresas 4.0 estão previstos 450 milhões de euros para cerca de 530 mil empresas. Trata-se de um programa que visa a construção de um ecossistema de negócios digitalmente avançado, baseado em automatização e inteligência artificial (IA).

 

As 4 medidas que convergem para este desígnio são:

 

  • Rede Nacional de Test Beds: a criação de infraestruturas para as empresas desenvolverem e testarem novos produtos e serviços;
  • Comércio Digital: focado nas PME’s e micro-PME’s do comércio que pretendam desmaterializar processos com clientes, fornecedores e logística;
  • Coaching 4.0: apoiar o desenvolvimento de competências organizacionais que fomentem um modelo de negócio digital;
  • Empreendedorismo: apoio a Start-ups e Incubadoras com forte componente digital e verde, nomeadamente, através da atribuição de vouchers.

 

Catalisação da transição digital das empresas (100 M€)

 

Este investimento é efetuado através de projetos públicos de catalisação tecnológica, que visam:

 

  • reduzir a utilização de papel através da desmaterialização da faturação;
  • criar um ambiente de negócios digital mais seguro e confiável,através de um conjunto de certificações;
  • fomentar o desenvolvimento de estruturas de transferência de conhecimento, nas quais se pretende estimular o desenvolvimento de mais produtos e serviços tecnológicos bem como suportar o desenvolvimento de competências.

 

Este investimento das Empresas 4.0 encontra-se estruturado através de 3 programas:

 

  1. Digital Innovation Hubs: são estruturas que visam a centralização de um conjunto de serviços de apoio à transição digital das empresas, focando este processo em 3 tecnologias disruptivas: IA, HPC e Cibersegurança.
  2. Desmaterialização da Faturação– visa automatizar o processo de implementação da assinatura digital qualificada para a emissão de faturas através do Serviço de Assinatura de Faturas Eletrónicas (SAFE) da AMA, bem como massificar a utilização de faturação em formato digital;
  3. Selos de Certificações de Cibersegurança, Privacidade, Usabilidade e Sustentabilidade – investimento em quatro novas plataformas de certificação em cibersegurança, privacidade, usabilidade e sustentabilidade.

 

Vamos fazer da sua empresa uma das Empresas 4.0?

 

Os principais apoios do PRR para as empresas baseiam-se, embora não exclusivamente, às componentes da Capitalização e Inovação Empresarial (C5), parte da dimensão Resiliência, e das Empresas 4.0 (C16), correspondente à Transição Digital. Mas no que toca a esta transição digital, não precisa de depender exclusivamente do Plano de Recuperação e Resiliência.

 

Existe já um software desenhado para simplificar a gestão dos negócios e ajudá-lo a entrar no mundo das empresas 4.0, sem ter sequer de esperar por uma candidatura.

 

Essa plataforma é o Jasmin, um software de gestão cloud, desenhado para empreendedores e pequenos negócios. Através de Inteligência Artificial e Machine Learning, o Jasmin fornece-lhe insights sobre o futuro do seu negócio com base no histórico.

 

Pode ver a evolução com os seus próprios olhos ao experimentar o Jasmin de forma gratuita!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Mais artigos