Big Data: o que é e o que pode fazer pelo seu pequeno negócio

por Nídia Ferreira | 8 Janeiro, 2019 em
Tecnologia

Antes de qualquer outra coisa, vamos encarar o elefante na sala (ou por outra, no título deste artigo): “como assim big data para pequenos negócios?!”


Vá, respire fundo. Sim, vamos falar de big data. E não, não é apenas para grandes empresas ou multinacionais dotadas de mega-servidores e bolsos profundos. Também as pequenas e médias empresas podem tirar partido do big data para melhorarem os seus negócios, como lhe mostramos mais à frente.


Agora que esclarecemos este ponto prévio, vamos diretos ao assunto.


Então o que é afinal o big data?


Segundo os especialistas, há três coisas que ajudam a definir o big data: volume (2.5 exabytes de dados por dia), velocidade (a que os dados são gerados e integrados em sistemas) e variedade (desde as fotos do seu gato no instagram, às cotações da bolsa). Há ainda quem considere dois fatores adicionais: a veracidade e o valor dos dados.


Definições técnicas à parte, em português corrente o big data é simplesmente o termo utilizado para descrever o enorme conjunto de dados provenientes de fontes tradicionais ou digitais, dentro ou fora da sua empresa.


Mais útil ainda, é pensar no big data como um universo de dados dispersos que, quando correlacionados, contêm informação ultra-valiosa à espera de ser descoberta. Informação que pode utilizar para tomar decisões estratégicas e que contribuam para a evolução do seu negócio.


Como usar o big data na sua PME?


É verdade que as pequenas e médias empresas não têm tantos dados quanto as grandes corporações, já para não falar nos recursos, mas isso não significa que não possam usufruir das vantagens do big data. Graças à computação em nuvem, existem hoje no mercado soluções mais económicas de recolha e análise de big data disponibilizadas em modo SaaS (software as a service) e dirigidas a pequenos negócios.


Além disso, a importância do big data não reside (apenas) na quantidade, mas sim na forma como as empresas utilizam esses dados. Se souberem onde procurar e, mais importante, o que procurar, há muitas formas de as pequenas empresas recolherem, analisarem e retirarem conclusões preciosas dos dados que já têm ao seu alcance.


Aqui ficam três exemplos de como o pode começar já a fazer:


Saiba mais sobre os seus clientes


É fácil achar que conhecemos o nosso público, mas a experiência diz-nos que muitas das vezes aquilo que imaginamos está longe de ser realidade. Os dados e ferramentas analíticas hoje disponíveis podem, no entanto, ajudar as empresas a traçar um perfil mais completo e pormenorizado dos seus clientes (atuais e potenciais), conhecer as suas preferências, saber de onde são, ou até mesmo o que pensam. Analisando as visitas ao website, redes sociais, e histórico de transações, não só é possível saber quem está a comprar os seus produtos e de que forma, como ainda prever tendências futuras.


"Ouça” o que as redes sociais dizem sobre si


As redes sociais são um meio fértil para recolher informação de feedback sobre o seu negócio, seja através de menções sobre a sua empresa ou produto, comentários sobre experiências positivas ou reclamações de clientes. Ao analisar estes dados não estruturados (através de técnicas como a análise de linguagem e sentimentos) é possível retirar insights valiosos sobre as ações que deve tomar em seguida, como por exemplo a necessidade de aprimorar um aspeto específico de um produto, ou de melhorar o seu serviço de apoio ao cliente. As redes são também uma boa forma de “ver” o que a concorrência anda a fazer — e “ouvir” o que os consumidores pensam sobre isso— para depois identificar onde estão os espaços que os seus produtos ou serviços podem preencher.


Utilize as ferramentas de análise do seu software de gestão


Se utiliza um software de faturação e gestão cloud, então já está a recolher alguns elementos de big data. Pense no caso das vendas e no tipo de dados que consegue obter: quais os produtos vendidos, em que quantidades, quando foram comprados, qual o modo de pagamento utilizado. Recorrendo às ferramentas de análise de dados e business insights do seu software de gestão, é possível descobrir tendências no seu negócio. Como por exemplo, saber se há produtos que vendem mais durante o período das Festas ou ao fim de semana ou, ainda, quais as combinações de produtos que vendem bem em conjunto (piza e cola, diz-lhe alguma coisa?). Este tipo de informação pode ajudar a planear as suas encomendas, a gerir o inventário de forma mais eficiente, e até mesmo a preparar campanhas de marketing específicas.

 


Jasmin: comece já a explorar os dados do seu negócio


Se ainda não explora os dados da sua PME para poder tomar melhores decisões e descobrir insights que ajudem o seu negócio a crescer, então o Jasmin é uma ótima forma de começar. Este software de faturação e gestão cloud para empreendedores, startups e PMEs, utiliza mecanismos de big data analytics e inteligência artificial que vão tornar a condução do seu negócio mais fácil e informada.


Através de um dashboard com análises estatísticas sobre resultados e previsões, pode aceder a toda a informação de forma simples e intuitiva. Com a nova funcionalidade Jasmin Insights, recebe ainda alertas oportunos acerca do desempenho do negócio, em tempo útil e sem qualquer tipo de explorações, para que possa tomar decisões mais rápidas e suportadas por dados.


Além disso, pode ligar a sua conta Jasmin a mais de 1000 aplicações, ferramentas e plataformas, sejam elas de marketing, pipelines de vendas, serviços de email ou softwares de CRM, entre outras. Desta forma é possível cruzar os dados financeiros da sua empresa com dados provenientes de outras fontes, reunindo toda a informação necessária para levar o seu negócio na direção certa.


Não se deixe ficar para trás. Comece já a extrair valor dos dados da sua PME com o Jasmin Express! É 100% cloud, certificado pela AT e grátis para os primeiros 30 mil euros de faturação ou 1 ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *