Negócios

Mantenha as contas “a verde”: acompanhe o fluxo de caixa

por Isabel Dias | 24 Julho, 2018

O crescimento de um negócio assenta em vários fatores, e a capacidade para fazer face às obrigações com os recursos disponíveis, ou liquidez, é um deles. Acontece a muitos negócios: não antecipar as entradas e saídas de dinheiro, especialmente se as saídas forem mais regulares que as entradas. Esta situação requer um maior controlo do fluxo de caixa.

 

Um fluxo de caixa “saudável” é aquele em que, simultaneamente, as receitas são superiores às despesas e chegam a tempo de pagar as contas. Como está o fluxo de caixa do seu negócio? Confira algumas dicas para manter as contas e saldo “a verde”.

 

Fluxo de caixa: 7 dicas para gerir

 

Ter um elevado volume de receitas, não significa que o negócio esteja a 100%. É necessário analisar também as despesas (as previsíveis e as outras) para o mesmo período. Só assim se pode ter uma visão mais realista da saúde de um negócio e perceber se o fluxo de caixa é positivo ou negativo.

 

Dica #1 – Mantenha registos detalhados e os livros em dia

 

Para conseguir prever e antecipar momentos mais difíceis tem que conhecer a totalidade das despesas, por mais pequenas que sejam. Tudo conta: desde material de escritório, refeições decorrentes de uma reunião.

 

Vai ver que estas pequenas despesas, parecendo mínimas, ao serem somadas representam um valor considerável. Se registar todo e cada um destes valores, terá uma imagem muito mais realista de qual é o ponto do seu negócio, e de qual é o verdadeiro fluxo de caixa.

 

Dica #2 – Tenha um fundo de reserva à mão

 

É mais fácil dizer do que fazer, é certo. Contudo, se fizer o esforço de colocar de parte alguma da sua receita para uma poupança, terá alguma margem de manobra para fazer face a despesas inesperadas e assim ajudar o seu fluxo de caixa.

 

Dentro destas despesas inesperadas, incluem-se também situações em que os recebimentos não acontecem dentro do prazo. E, claro, não se esqueça de ter em conta as datas de pagamentos ao estado, que podem ser um fator determinante na sua tesouraria: IVA, IRC, IES. Os pagamentos são menos frequentes, mas os valores envolvidos podem facilmente atirar as contas para o vermelho.

 

Dica #4 – Um plano de tesouraria a médio prazo

 

Quanto tempo é que os seus clientes demoram a pagar? E quanto tempo é que demora a pagar aos fornecedores? Estes tempos devem ser estipulados com alguma estratégia. O habitual é que sejam feitos os pagamentos a 30 ou a 60 dias, mas podem acontecer situações em que estes não sejam respeitados.

 

Neste caso, não hesite em enviar lembretes e avisos aos clientes devedores. Pense que se não receber o que lhe é devido a tempo, pode não conseguir pagar o que deve a tempo, e incorrer em custos extra – o que não é uma boa situação de fluxo de caixa.

 

A palavra chave é planeamento de tesouraria: procure ter sempre atualizado um plano com pelo menos 12 meses das principais entradas e saídas de dinheiro previstas. Desta forma evita imprevistos e ainda vai a tempo de reagir se detetar algum problema.

 

Dica #5 – As finanças pessoais e as da empresa sempre separadas

 

Apesar de esta dica ser bastante óbvia, é importante reiterar: todo o negócio deve ter uma gestão dedicada porque além de dificultar a contabilidade da empresa, a certo ponto não se sabe o que está relacionado com o quê.

 

Pode ainda pensar que o seu fluxo de caixa é melhor do que na realidade é, e tomar decisões baseadas em enganos.

 

Confira 5 dicas para melhorar a gestão financeira do seu negócio.

 

Dica #6 – Controle os stocks

 

Os stocks representam muito dinheiro investido, porque “mais vale estar prevenido”. Quando se trata da saúde do fluxo de caixa (e consequentemente do seu negócio), o caso muda ligeiramente.

 

Sabe o que é o inventário permanente?

 

Controle bem os seus stocks para evitar ter stock em excesso (ou em falta), e estude quais os produtos mais vendidos, os mais populares, os com menos potencial, e por aí além. Assim, evitará ter demasiados fundos investidos em inventário desnecessariamente, e também conseguirá reconciliar as suas encomendas com a sua conta bancária.

 

Dica #7– Um software de gestão é o seu melhor aliado

 

Todas as dicas acima são possíveis, mas implicarão muito trabalho e dedicação, quando pensadas separadamente. Um bom software de gestão permite-lhe controlar todos os aspetos a partir de um único sítio, dando-lhe uma visão unificada de todos os esforços em prol do seu fluxo de caixa e quais os resultados.

 

O Jasmin, software de faturação expert em gestão, ajuda-o a fazer a gestão do seu negócio com recurso a ferramentas essenciais que automatizam, agilizam e facilitam o trabalho repetitivo.

 

Jasmin: a dica que põe as contas “a verde”

 

O Jasmin, sendo expert em gestão, foi desenhado para PMEs, empreendedores e freelancers que desejam fazer a gestão do negócio de forma integrada e ainda ter tempo para planear os próximos passos. O Jasmin disponibiliza-lhe funcionalidades de orçamentação e demonstração de resultados, está equipado com os principais KPIs, e é dotado de inteligência e poder preditivo – as ferramentas principais para controlar e seguir o seu fluxo de caixa.

 

Além disso, facilita todos os processos de emissão de faturas, consulta de documentos e envio de ficheiros, como o SAFT-PT, à AT. Cumpre a 100% os requisitos do Regulamento Geral de Proteção de Dados e garante segurança dos dados. Ao ser 100% cloud, permite-lhe trabalhar de qualquer lugar, e ao integrar com as principais aplicações do mercado, dá-lhe a oportunidade de centralizar todos os processos que fazem parte da gestão de uma empresa, do marketing ao recrutamento.

 

Tem de ver para crer? Experimente já o Jasmin Express! 100% cloud, certificado e gratuito, é o parceiro que o seu negócio precisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais artigos

Ver mais